Política

Como o patriarcado pode ser prejudicial para uma sociedade? Entenda

Patriarcado é um termo que atualmente que vem na esteira de “feminismo” ou de assuntos derivados desse tema, porque está intimamente associado ao movimento das mulheres por luta pelos seus direitos. E não está associado de maneira positiva, pois é visto como um dos vilões, uma das causas pela sociedade injusta quanto ao trato com as mulheres.

Essa conotação negativa só veio a ganhar corpo no século XX após teorias de autores socialistas e de feministas da “segunda do feminismo”. Antes disso o termo patriarcado tinha conotação apenas religiosa ou de uma vida frugal.

Veja também – Significado de dissidente

Essas conotações ainda estão presentes, inclusive se consultar os dicionários, mas sem dúvida o significado atribuído ao termo pelo movimento feminista é que está mais em evidência.

Mais em evidência e o tema central deste post.

O que é patriarcado segundo o conceito feminista?

Patriarcado é um sistema de governo centralizado na figura do homem. O sexo masculino exerce amplo domínio em todas as esferas de uma sociedade:

  • Política;
  • Econômica;
  • Familiar.

Esse domínio é calcado na crença da superioridade do homem perante a mulher em razão das diferenças culturais presentes quanto a ideias e práticas. Tal crença legitimaria o papel de subordinação da mulher para com o homem.

Essa suposta superioridade, no entanto, não encontra ressonância no que concerne nas diferenças apontadas entre cada gênero pela biologia.

Grosso modo, patriarcado significa o “poder é dos homens”.

A etimologia da palavra

Patriarcado origina-se do grego “paterarkhe”, que é a junção de “pater, “pai” e “arkhe”, “origem” ou “comando”. Juntando os termos, a palavra na Grécia antiga seria o equivalente a “autoridade do pai”. Ela estabelece uma hierarquia nas forças de comando.

Contudo, é importante salientar que o vocábulo “pater” na Grécia antiga não tinha o sentido que empregamos hoje para com essa palavra. Se referia a uma pessoa com autonomia e que exercia autoridade em um domínio ou sobre uma família. Estava mais relacionada autoridade do que a paternidade sobre algum ente.

Patriarcado no campo e na igreja

Como era a figura do pai que exercia o papel de autoridade nos núcleos familiares e a origem desses núcleos, patriarcado passou a ser um sinônimo de chefes de família. A palavra “pater” também remetia a esse significado devido à recorrência da liderança masculina, mas patriarcado também remetia aos primeiros ancestrais e os seus tempos antigos.

Como esses tempos antigos eram marcados por uma vida simples, bucólica, frugal, época dos primeiros grandes ensinamentos, o termo era empregado em tom elogioso. Patriarcado neste contexto era evocativo de pequenas comunidades rurais que produziam o próprio sustento com a união familiar. Famílias lideradas pela presença masculina dominante. Era usado em tom saudosista que exaltava as “virtudes patriarcais”.

Já o significado de patriarcado no contexto religioso também se relaciona com o papel de autoridade do homem. Sempre cabe aos homens nos textos bíblicos o papel de liderança familiar. Por isso, “patriarca” é usado para se referir aos primeiros chefes de família. Por essa razão, patriarcado na hierarquia da igreja romana se refere a uma diocese subordinada a um patriarca.

Diocese é um território de administração de um bispo, arcebispo ou patriarca dentro da organização da igreja. Logo cabe ao “pai”, “líder” a responsabilidade pela administração.

Patriarcado

O significado socialista

O termo patriarcado ganhou um novo significado no século XIX nas mãos de autores socialistas. Como de praxe, estudavam as relações de poder do sistema capitalista e suas origens.

Com o aprofundamento dos estudos, teorizaram a partir do que consideravam evidências de que o direito paterno teria substituído o direito materno. Para essa suplantação coerciva, cunharam exatamente a expressão “patriarcado”.

Analisando com frieza, o que trouxeram a roda de discussão não difere muito do significado original, a referência da figura masculina como autoridade máxima. O que certamente traziam de novo era que, pela primeira vez, se questionava a legitimidade do exercício da liderança da figura masculina e da possibilidade de ter ocorrido um matriarcado original, mas que foi deposto coercitivamente pelo direito masculino.

Os autores que teorizaram a respeito foram Morgan, Bachofen e Bebel.

O patriarcado na visão feminista

Sem dúvida, foi somente na segunda metade do século XX que o termo veio ganhar uma conceituação pela ótica feminista. Mais precisamente na década de 1970. No entanto, esse significado é bem próximo ao parido pelas cabeças socialistas, mas carrega diferenças notáveis.

Compreendem também patriarcado como o domínio da figura masculina em todas as instâncias de poder na sociedade resultando na marginalização da mulher. Contudo, não dão crédito ao um possível matriarcado original.

Pela significação setentista, o termo deixa de se referir a uma figura masculina individual de papel de autoridade ou ao um período ancestral. Passa a designar toda uma estrutura de poder que tem o homem como centro exercendo autoridade e opressão as mulheres seja no âmbito público ou privado.

Teorizou-se nesse período que a dominação masculina seria mais uma forma de expressão da dominação histórica exercida no âmbito político em razão do uso da força. Uso da força que culminava no absolutismo e não nas democracias contemporâneas de que somos testemunhas.

Por que o patriarcado é prejudicial para uma sociedade?

O patriarcado é irremediavelmente prejudicial para qualquer tipo de sociedade por ser um sistema de governo injusto. Fomenta as desigualdades e o preconceito ao conferir privilégios ao sexo masculino sob a justificativa de suposta superioridade de um gênero sobre outro. Justificativas baseadas em suposições eivadas de preconceitos e imprecisões e com certeza não pautadas por preceitos biológicos.

O que esse tipo de sociedade deriva é um ambiente de fragilização social de todos os grupos que não se enquadram no padrão homem, branco e hétero. Quem não se enquadra no padrão privilegiado, logo é visto como inferior e por isso privado das melhores oportunidades profissionais e sociais mesmo portando capacidade e talento suficientes para obter destaque.

Esse ambiente desigual certamente estimula situações de revolta, desespero e violência, gerando muito sofrimento humano.

A manutenção do patriarcado institucional é a manutenção de um estado de coisas corrompido, que não se justifica e pouco contribui para a sociedade como um todo.

Ser contrário ao patriarcado é lutar por uma sociedade mais igualitária e livre de preconceitos.

Gostou deste conteúdo sobre patriarcado? Então curta, compartilhe, avalie. Seu apoio e sua opinião são muito importantes para nós. Leia mais de nosso conteúdo.

About the author

yasmin