Animais

Borboleta: saiba tudo sobre esse inseto colorido e amado por muitos

Há anos a borboleta é admirada e atrai a atenção tanto de biólogos como dos simples apreciadores de suas cores e beleza indescritíveis. Vamos conhecer um pouco mais sobre a borboleta, símbolo da espiritualidade, que fascina muitos por todos os cantos do planeta? Vem com a gente!

Existem várias espécies de borboletas espalhadas por todos os cantos do planeta e que habitam desde as regiões mais frias, como as de clima temperado até as florestas tropicais onde sua diversidade é gigantesca. Acredita-se que existam mais de 30.000 espécies, diurnas e noturnas, espalhadas nos mais diferentes habitats.

A evolução da borboleta

De acordo com registros históricos as borboletas apareceram a mais de 40 milhões de anos, como comprovado através de um fóssil de uma borboleta ninfalídea Prodrysas persephone, encontrado no lago Florissant, Colorado, EUA. Mas era um pouco diferente do que conhecemos hoje principalmente no que diz respeito ao aparelho bucal.

Essas espécies primitivas possuíam mandíbulas que usavam para colher grãos de pólen, ao invés da espirotromba, ou seja, um tubo enrolado sobre si mesmo e que se desenrola quando a borboleta se alimenta como as que conhecemos hoje.

Essa evolução no aparelho bucal permitiu que as borboletas passassem a se alimentar do néctar das plantas, com o sumo de frutas maduras e outros fluídos açucarados. O auge da diversidade das borboletas ocorreu no período Cretáceo da era Mesozoica com o surgimento das plantas com flores e, assim, as primeiras borboletas diurnas.

Com sua evolução, as borboletas tornaram-se polinizadoras e fundamentais para a dispersão e preservação das mais diferentes plantas por levarem e distribuírem seu pólen por regiões distantes.

Anatomia da borboleta

A borboleta possui um corpo mole e com diversas estruturas. Veja só!

Asas

As borboletas possuem dois pares de asas revestidas com escamas coloridas e sobrepostas formadas por quitina. As escamas regulam a temperatura corporal, absorvendo ou refletindo a luz solar.

Olhos

Grandes e compostos por várias pequenas lentes possibilitam que a borboleta enxergue melhor todo seu redor. Além disso, são capazes de enxergar os raios UV, ao contrário dos humanos.

Patas

As borboletas possuem três pares de patas distribuídas ao longo do corpo. O corpo é dividido em três partes formado por quitina e em cada uma delas é encontrado um par.

Antenas

O olfato das borboletas concentra-se nas antenas e através delas é possível identificar o perfume das flores, por exemplo. De acordo com alguns cientistas, as antenas também servem como uma guia, assim como o GPS.

Espirotromba

É através do espirotromba, tubo enrolado em si mesmo e que desenrola para que as borboletas se alimentem sugando o néctar das flores.

Espiráculos

Os espiráculos são pequenas aberturas ao longo do corpo da borboleta que atuam como pulmão: absorvem oxigênio e exalam gás carbônico.

Órgão reprodutor

Os machos possuem uma estrutura vertical, enquanto que as fêmeas, uma abertura arredondada. Durante o acasalamento, essas duas partes se unem e a fêmea pode colocar entre 100 a 500 ovos.

Ciclo de vida da borboleta

Acompanhe, a seguir, mais um espetáculo da natureza: o ciclo de vida da borboleta!

1º A fêmea adulta deposita os ovos fertilizados próximos a plantas ou outros locais que serão sua fonte de alimento quando nascerem. Os ovinhos são pequeninos e arredondados;

2º Dos ovos fertilizados nascem pequeninas lagartas que se alimentam sem parar com tudo o que encontram pelo caminho. Durante o período de crescimento trocam de pele por 4 vezes;

3º Após um período, a lagarta se prende a uma folha ou um galho e forma um resistente casulo. Dentro desse casulo desenvolve-se a pupa, também chamada de crisálida, fase intermediária entre a larva e o estado adulto (imago). Nesse estágio, a lagarta não se alimenta e nem se move;

4º Quando estiver completamente desenvolvida, a borboleta emerge do casulo, começa a voar, a polarizar e a se reproduzir para perpetuar a espécie.

A expectativa de vida da borboleta é bastante curta ficando em torno de 2 a 6 semanas o que faz com que logo que deixem o casulo já procurem um parceiro para se reproduzir. Você sabia que o maior predador das borboletas é o homem? Infelizmente!

Cores da borboleta e sua importância

As cores da borboleta são fundamentais para a sua sobrevivência. Suas asas possuem mais de 50.000 escamas coloridas e inclinadas, que além de regularem a sua temperatura corporal como foi dito, ainda auxiliam a deixar os predadores bem longe!

As cores fortes, por exemplo, como tons de vermelho, amarelo, preto e laranja, é uma coloração de aviso anunciando aos predadores, aves, anfíbios e répteis, que possuem um sabor ruim ou mesmo que são venenosas.

As cores miméticas faz com que ela se assemelhe a outro animal perigoso ou de sabor ruim. Já a coloração críptica, que é aquela cor semelhante ao ambiente, permite a sua camuflagem.

Você sabia que a lagarta também pode apresentar pelos coloridos e exalar odores tóxicos para se proteger dos predadores? Detalhe: se avistar uma lagarta coberta com pelos coloridos, não toque nela! Elas são venenosas e podem causar queimaduras.

As cores também tem papel importante na reprodução. É através delas que os machos e fêmeas reconhecem um ao outro como sendo da mesma espécie. As fêmeas são atraídas pelos machos que são mais coloridos e, dessa maneira, o gene colorido é passado para outras gerações. Na biologia isso é chamado de seleção sexual e é essa seleção que mantem a formação e a manutenção desses padrões coloridos entre elas.

Borboletas e mariposas: qual a diferença?

Bom, primeiramente que a mariposa é um pouco mais velhinha que a borboleta: fósseis encontrados comprovam que a mariposa viveu há cerca de 140 milhões de anos. Ambas pertencem à ordem dos lepidópteros (do grego “lépido”, que significa escama e, “ptero”, asa).

Algumas características anatômicas e comportamentais separam as borboletas das mariposas. Enquanto as borboletas têm hábitos diurnos, as mariposas já preferem à noite. Acompanhe as principais diferenças entre as suas anatomias:

  • As borboletas apresentam antenas mais longas e lisas, em forma de clave e com as pontinhas dilatadas, enquanto que nas mariposas são curtas, grossas e peludas;
  • As asas das borboletas ficam fechadas verticalmente em relação ao corpo. Já as mariposas as mantêm estendidas horizontalmente em relação ao corpo;
  • As borboletas são coloridas, enquanto que as mariposas, na maioria das vezes, possuem cores opacas.

Mariposas coloridas?

Na maioria das vezes as mariposas são identificadas por suas cores opacas. Mas, existem mariposas coloridas também e que são confundidas com borboletas como, por exemplo, a uranídea jamaicana, que apresenta uma linda coloração amarela.

Borboletas e o meio-ambiente

As borboletas têm um papel fundamental na polinização e sua presença ou ausência em determinadas áreas pode indicar a qualidade do meio ambiente. Outro fator importante: elas também são muito sensíveis principalmente aos pesticidas. Vale a pena repensar sobre o seu uso indiscriminado para evitar a sua extinção, o que, não por acaso, já vêm acontecendo com algumas espécies.