Expressões em inglês

PhD (Philosophiæ Doctor / Doutor da Filosofia)

PhD recebe uma variedade de abreviações em países anglófonos. Derivado do latim, onde se entende por philosophiae doctor – ou ainda doctor philosophiae –, sua abreviatura pode aparecer como: D.Phil, DPhil e Ph.D. O título é comum nos países de idioma inglês, onde é reconhecido como o grau universitário terminante.

A menção à “filosofia” no título de PhD gera algumas dúvidas e confusões. Ao contrário do que o nome sugere, a denominação não é limitante ao campo filosófico.

O termo PhD contempla outras áreas do conhecimento, pois sua origem remonta o sentido grego da palavra. Isto é, a filosofia do título refere-se à concepção de “amor ao conhecimento”. Para tanto, em países europeus, a denominação é empregada e concedida ao ramo do Direito e da Medicina.

Origem de PhD

Verifica-se também que o sentido de “filosofia” está vinculado ao ensinamento das chamadas artes liberais. Essa é fundamentada na ementa adereçada à Universidade de Berlim, Humboldt.

À época, a filosofia era integrada por ementas de variados cursos da atualidade. Em outras palavras, a filosofia unificava muitos dos cursos que hoje conhecemos separadamente, haja vista de que uma porção de cursos de graduação dos tempos atuais não foi fundada até o século dezenove.

Desse modo, PhD foi um termo genérico para o curso filosófico que ensinava alguns dos campos mais populares hoje.

Como PhD é chamado no Brasil?

No Brasil, não existe tradução literal para o título concedido em terras de língua inglesa. O Brasil confere seu título próprio de PhD, chamado nacionalmente de DSc.

A sigla brasileira significa Doctor of Science, Scientiae Doctor ou simplesmente Doutor em Ciências. O título é oferecido após a conclusão dos cursos de doutorado. Ou seja, o DSc concedido em universidades brasileiras equivale ao PhD de países anglófonos.

Usos formais e informais

O PhD tende a ser utilizado em diversas “modalidades”, ultrapassando o conceito cult para o entendimento coloquial. Em termos simples, não raro o título é re-empregado no vocabulário cotidiano com maior liberdade e independência.

No linguajar popular, praticado no dia a dia, a sigla Ph.D ainda pode aparecer com uma definição mais informal: PhoDão. A licença para renomear é um recurso da linguagem cotidiana entre determinados grupos e tribos urbanas.

Nesse caso, PhoDão, embora não seja a correspondência real do termo, segue lógica parecida. O termo se refere à alguém com destaque no que faz, alguém “fodástico” e conceituado. Por extensão, entende-se que o PhoDão pode ser um doutor em sua área, ou ter atingido a excelência no que faz.   

Sendo assim, o título pode ser empregado informalmente àqueles indivíduos que não têm doutorado. Isto é, a alguém que é muito bom no que faz, seja essa uma profissão ou outra atividade.

A prática do termo não se limita somente ao campo profissional e formal, tendo conquistado vocabulário comum. O uso pode dividir opiniões, assim como demais palavras enviesadas ou “vulgarizadas” de seu significado original.

Abaixo, alguns exemplos de usos formais e informais do termo no vocabulário popular:

“Marcus terminou a graduação, fez especialização e se tornou mestre. Atualmente, Marcus é PhD em Física”.

Na frase apresentada acima, o uso do título está voltado para o sentido formal. Na sentença, o termo se refere a: doutor, doutorado, especialista, mestre.

“Kléber é o maior tirador de onda, PhD em passar a perna em desavisado”.

Na frase apresentada acima, o uso do título está voltado para o sentido informal. Na sentença, o termo se refere a: gaiato, maroto, esperto, sacana.

“Márcia sempre foi muito estudiosa. Embora não tenha doutorado, é PhD em matéria de matemática”.

Na frase apresentada acima, o uso do título está voltado para o sentido informal. Na sentença, o termo se refere a: entusiasta, traquejado, perito, experiente, versado.

“Victor se acha o PhoDão na conquista, mas ouvi dizer que é super amador”.

Na frase apresentada acima, o uso do título está voltado para o sentido informal. Na sentença, o termo se refere a: convencido, pretensioso, imodesto, metido, esnobe.

“Você já ouviu Frank Ocean? Ele é o Ph.D da música atual!”

Na frase apresentada acima, o uso do título está voltado para o sentido informal. Na sentença, o termo se refere a: reconhecido, maioral, mestre.

“Carolina está se especializando. Seu objetivo é se tornar Ph.D em seu campo nos próximos anos”.

Na frase apresentada acima, o uso do título está voltado para o sentido formal. Na sentença, o termo se refere a: legitimado, verificado, expert, habilitado, certificado.

Sinônimos do título

  • Doutorado
  • Doutor
  • Esperto
  • Maioral
  • Tirador de onda
  • Garantido
  • Convencido
  • Certificado
  • Reconhecido
  • Validado
  • Legitimado
  • Expert
  • Experiente
  • Veterano
  • Especialista
  • Traquejado
  • Treinado
  • Versado
  • Perito
  • Habilitado
  • Mestre
  • Entendido
  • Maroto
  • Imodesto
  • Metido
  • Esnobe
  • Pretensioso

Antônimos do título

  • Noob
  • Novato
  • Bicho
  • Iniciante
  • Amador
  • Calouro
  • Gaiato
  • Entusiasta
  • Curioso
  • Principiante
  • Aprendiz
  • Noviço
  • Neófito
  • Inexperiente

O termo na antiguidade

Como se espera, as universidades medievais não disponibilizavam a variedade de cursos encontrados hoje. À época, a grade era bem menos sortida, além de ser acessível a poucos e seletos. Sabendo disso, as faculdades medievais eram divididas em quatro segmentos: Teologia, Direito (civil e canônico), Artes e Medicina.

Esse formato imperou por muitos, nais especificamente, até o século dezenove. Foi apenas dois séculos atrás que reformas no modelo educacional foram propostas e aprovadas – iniciadas na pioneira Alemanha, especificamente adotadas pela Universidade Humboldt, em Berlim.

Nessa ementa revolucionária, o estudante dedicado às áreas humanas poderia dar seguimento ao curso até culminar no Forschungs Doktorat ou, em português, ao doutorado em filosofia.

Com esse formato, a universidade alemã lançaria a moda para outros países. O conceito foi adotado e reaproveitado em diversas áreas do globo. Nos Estados Unidos, por exemplo, o título de PhD passou a ser fornecido a partir de 1861. A pioneira nas terras estadunidenses foi a Universidade Yale.

A princípio, o título foi oferecido aos alunos que ministravam as teses nas áreas de humanidades ou ciências exatas. Mais tarde, o modelo foi se expandindo por demais universidades. Ganhando espaço e se tornando mais pronunciado, o título virou um padrão empregado no ensino do mundo inteiro.