Expressões em inglês

Workaholic: tradução significado e conceitos

A questão que envolve pessoas com a “Síndrome de Burnout” é, ao mesmo tempo, bastante simples e muito complicada. Simples porque esta pessoa, considerada um workaholic, pode ser classificada como um viciado em trabalho. Para ele, não há a necessidade de vida social ou familiar, o que lhe importa mesmo é o trabalho. E complicada porque, como consequência desta excessiva dedicação à sua profissão e ao trabalho, sua saúde vai para o espaço – ele pode ficar até mesmo sem se alimentar – e a própria família entra no sacrifício, pois costuma ser deixada para um segundo plano, muito depois do trabalho.

A pessoa não se apercebe da doença

Não significa que essa pessoa aja assim de forma consciente, porque deseja. Na verdade, no momento em que a pessoa entra no estágio em que pode ser considerada um workaholic ela já é classificada como doente, uma espécie de distúrbio mental.

Veja também – Significado de self service

O pior disso tudo é que o próprio workaholic não se apercebe disso, ele não sabe que está dedicando sua vida apenas ao trabalho e esquecendo-se dos demais, inclusive de viver.

Ou seja, afirmam médicos e especialistas, trata-se de um estágio doentio e esta pessoa precisa de atendimento profissional, de um médico ou psicólogo. Como ela mesma não se dá conta do que está acontecendo, há a necessidade de ajuda de terceiros, seja familiar ou mesmo da empresa em que trabalha.

As empresas não estão preparadas

Caso se trate de um profissional liberal, restará apenas à família a ajuda externa, o que nem sempre é fácil. Por achar que está correto, será muito difícil aceitar essa ajuda da família.

Na verdade, a pessoa acometida da Síndrome de Burnout entrou em um processo mental em que o único tema que importa é o trabalho e, portanto, pode até mesmo voltar-se contra a família se esta aparecer com a história de que ela está trabalhando em excesso.

No caso de empresas, dizem especialistas, o workaholic também fica perdido, pois são raríssimos os casos em que uma empresa tenha especialistas capazes de identificar que aquele profissional está entregando-se excessivamente ao trabalho.

O mais normal é que ele acabe adoecendo por outros motivos, seja o cansaço, estresse ou falta de uma boa alimentação.

Saiba quais os principais sintomas

Como é possível perceber, portanto, trata-se de situação de saúde em que o profissional doente precisará de muita atenção familiar, seguida de uma grande dose de paciência para convencê-lo a buscar atendimento profissional, seja com psicólogo ou médico.

No geral, os workaholics costumam apresentar um dos três sintomas abaixo, ou, em alguns casos, até mesmo os três simultaneamente. São eles:

  • Sintomas fisiológicos – apresentam quadros de insônia, resultado do trabalho em excesso, além de quadros de estresse e, quase sempre, aumento da pressão arterial;
  • Sintomas cognitivos – quadros agudos de ansiedade, muita irritabilidade com qualquer coisa, estados de mal-estar e constante preocupação com o trabalho;
  • Sintomas de comportamento – são pessoas que demonstram excessiva necessidade de planejar tudo, de ter controle sobre todas as coisas e, sempre, afastam-se do convívio social e familiar, pois só o trabalho lhes interessa.

A nova doença do século XXI

A situação da pessoa workaholic costuma agravar-se com o tempo, pois as demais pessoas, seja no trabalho, no convívio social e até mesmo no âmbito familiar tendem a afastar-se dela devido à irritabilidade demonstrada constantemente. Isso tende a piorar o quadro, na medida em que avança para a solidão e, no momento seguinte, migra para a depressão.

Considerada por especialistas a doença do século XXI, a Síndrome de Burnout tende a tornar-se crônica na medida em que avança, de forma especial se não houver o pronto atendimento na empresa em que o profissional trabalha ou em seu âmbito familiar, com as dificuldades já descritas.

Com a falta de sono, remédios em excesso

Ao esquecer seus cuidados básicos, a começar pela saúde, o workaholic também pode migrar para problemas como a higiene pessoal, acrescido da falta de uma boa alimentação. O resultado são complicações gerais em seu quadro de saúde. Com deficiências na alimentação, tende a adquirir outras doenças, normais quando uma pessoa não se alimenta adequadamente.

Com o tempo, o comum é que à falta de sono seja acrescido o uso excessivo de remédios para dormir, o que agrava ainda mais a situação, pois estes remédios tendem a ser nocivos quando usados continuamente, tornando-se viciosos. Acaba afetando a concentração da pessoa e a própria memória.

O lazer é mesmo o melhor remédio

Psicólogos aconselham que, em situações como estas, o ideal é a família tomar a iniciativa para criar momentos diários de lazer em conjunto, em que diversos membros da família participem.

Nestes momentos, o bom é acrescentar alimentos de qualidade, fazendo a pessoa doente melhorar sua alimentação. Estes momentos também costumam melhorar o seu nível de concentração, como que trazendo a pessoa novamente à realidade.

O lazer é um dos melhores remédios, pois o workaholic tende a perder a própria personalidade. Há verdadeira “despersonalização” da pessoa. Ou seja, a família passa a ser sua melhor e única alternativa de recuperação, com todas as dificuldades que isso possa vir a representar para todos.

Quadro tende a ser irreversível

Outra questão importante é que, algumas vezes, os próprios médicos tendem a confundir a Síndrome de Burnout com o estresse provocado pelo trabalho. Neste caso, entretanto, o comum é ocorrer o estresse por uma pessoa trabalhar naquilo que não gosta, por pura obrigação de trabalhar para sustentar sua família.

No caso do workaholic, é exatamente o contrário: o profissional agarra-se ao trabalho como se esta fosse sua única alternativa para ser feliz e, por isso, trabalha demais e deixa a própria família para um segundo plano.

O problema é que, neste caso, o excesso de trabalho leva à desconcentração, como já dito, o que vai resultar na baixa produção devido até mesmo ao sono com as noites mal dormidas e excesso de remédios e calmantes. Um círculo vicioso que só tende a piorar e agravar o quadro.

Como a pessoa está doente e não percebe esse quadro, só resta ao workaholic mesmo o auxílio familiar. Sem a família, ele caminha rapidamente para a morte.

About the author

yasmin