Tecnologia

Home office: o que quer dizer? O que representa?

Home office

A vida anda mudada nos últimos tempos. Embora sempre tenha existido, para diversas profissões, a possibilidade de trabalhar em casa – alfaiates, costureiras, mecânicos, escritores, arquitetos, advogados, etc -, as alternativas dos últimos tempos, criadas principalmente pela informática e novas tecnologias, abriram-se bastante a ponto de chegarmos a importar o termo home office.

Que não quer dizer exatamente aquilo para o que anda sendo empregado. Na sua tradução literal, home office pode representar ‘trabalho em casa’ ou ‘escritório em casa’, numa expectativa de que você está trabalhando ou passou a trabalhar em sua casa.

Opção para empregados ou colaboradores

Embora as aberturas permitidas por estas novas tecnologias – este maravilhoso computador e suas extravagâncias, incluindo a internet – permitam, mesmo, que você possa trabalhar em casa, elas não limitam as suas novas atividades apenas aos muros ou paredes de sua residência. O que computadores e internet possibilitam, hoje, é que você possa trabalhar longe de seu local original de trabalho, fora do seu escritório central.

Que pode ser, por exemplo, na sede da empresa à qual você está empregado. Ou na sede da empresa à qual você presta serviços, seja você empregado desta ou apenas um colaborador que presta serviços à distância.

Atividade até num parque público

Feita esta primeira observação, vamos então conceituar que a definição mais correta para a expressão home office, importada da Inglaterra e Estados Unidos, aqui para nossos padrões seria trabalho remoto ou trabalho à distância. Porque, se estiver fora do seu escritório central, você pode trabalhar em qualquer lugar, dependendo de qual é essa sua atividade principal.

Lembre-se, por exemplo, que muitas atividades você pode executar através de seu smartphone ou tablet, o que pode ser feito de uma estação rodoviária, aeroporto, shopping, um parque público onde tenha wi-fi e, inclusive, da sua casa.

Home office

Analise bem: sonho ou pesadelo?

É claro que, no caso do trabalho remoto ou home office, a maior parte das atividades serão executadas em sua casa, por várias razões – já pensou trabalhar num parque com chuva, no tablet? O certo é que estes novos brinquedinhos, bastante sérios, criaram alternativas que permitem a realização do que se constitui o sonho de muita gente – trabalhar em casa, ou, fora do escritório.

Ou o home office seria, na verdade, um princípio de pesadelo? Eis a questão, quando o assunto passa a ser examinado com mais seriedade e profundidade. Algumas profissões já permitem a atuação quase permanente fora do escritório – e com muitas vantagens para ambas as partes, empresa e trabalhador.

Na medida para advogados e arquitetos

O ramo da advocacia é um deles e o de arquitetura já começa a despertar celeremente para a alternativa. Muitos grandes escritórios de advocacia, especialmente em grandes centros como São Paulo, Rio, Brasília ou Porto Alegre, até mesmo já criam incentivos para que seus advogados – sócios, contratados ou terceirizados – executem boa parte de suas tarefas fora do escritório central.

Estes escritórios até já começam a migrar para o aluguel ou compra de espaços menores, porque há redução no número de salas necessárias, secretárias, estagiários e conta de luz, água e material de expediente.

E lembre-se: não há lugar para preguiça

Para os advogados – ou arquitetos -, há a comodidade de evitar o trânsito caótico toda manhã e tarde, não há a perda de tempo nesse trânsito, não precisa levantar mais na escuridão da madrugada e pode solver um café em casa, junto com esposa e filhos – ou ela com marido e filhos – na tranquilidade do seu lar. De pijama e calçados confortáveis?

Aí podem começar os problemas do home office, alertam especialistas em recursos humanos e em psicologia do trabalho e do lar. O trabalho em casa – ou trabalho remoto – não pode ser confundido com preguiça ou vagabundagem.

Decisão em conjunto com a família

No caso de profissionais casados e com filhos, a decisão de partir para o home office deve começar por uma boa assembleia geral doméstica. E a decisão ser tomada em grupo, em conjunto, fazendo os filhos participarem da decisão de que, a partir de determinado dia, papai – ou mamãe – estará ali na sala ao lado, no escritório, mas, de fato, “não está em casa”.

Está no trabalho, ali na sala ao lado. E não pode ser perturbado. Iniciar o seu dia trabalhando, mas, de pijama e chinelo de dedos, pode ser agradável apenas nos primeiros dias, alertam aqueles especialistas.

Home office

Reflita bem sobre os prós e os contra

A partir de certo momento, isso vira acomodação, a barba deixa de ser feita e a mulher já não faz mais o retoque da maquiagem. E o perigo é que essa letargia pessoal seja transmitida também para o trabalho, levando a um relaxamento perigoso das atividades profissionais. O ideal, apontam os técnicos, é que o home office seja levado tão a sério como se o profissional estivesse no escritório.

Outra questão importante levantada por especialistas em psicologia do trabalho é que, antes de tomar a decisão de praticar o home office, o profissional reflita muito bem sobre todos os prós e inconvenientes que terá ao deixar o escritório da empresa e dedicar-se a um trabalho remoto.

‘Papai (ou mamãe) avisa que não está’

Além das questões já levantadas, há outra decisiva: a pessoa precisa ser regrada e muito bem organizada em suas funções e horários. Precisa levantar-se e dirigir-se ao trabalho como se estivesse indo para a sala do chefe. E há a necessidade de organizar muito bem o seu tempo. A tentação da TV ali ao lado ou do relaxamento junto à janela, para uma boa espiada prá rua, é muito grande. E cada minuto perdido terá grandes reflexos no final do dia, na produtividade de seu trabalho.

Se há vantagens, também não são poucos os inconvenientes. Para um bom home office, você vai precisar de:

  • Boa internet e telefone à sua disposição, só seu (não da família);
  • Não basta trazer uma cadeira da mesa da cozinha: é indispensável boa mesa e cadeira apropriada, que não provoque stress no seu corpo;
  • O gerenciamento do seu tempo é fundamental: pela manhã vou fazer isso, à tarde aquilo, no final do dia o relatório, etc;
  • Como estará sozinho, precisa responder na hora às solicitações da empresa ou dos clientes; deixar para depois pode ser um drama;

E colocar um aviso no lado de fora da porta: “Mamãe (ou papai) avisa que não está”.